Separador de vórtice tubular
O separador de vórtice tubular (VTS, sigla em inglês) foi desenvolvido pela MAINOVA AG, BEB, Ruhrgas AG e FILTAN GmbH em anos recentes. O VTS condiciona o gás natural extraindo água e hidrocarbonetos em um único processo.
O separador de vórtice tubular para desidratação de gás foi instalado pela primeira vez no mundo pela Thyssengas GmbH em 2000 e se encontra em funcionamento desde março de 2001.
R + I diagrama de uma unidade de desidratação do separador de vórtice tubular
(Vortex Tube Separator)
Dados Técnicos
Pressão de trabalho máx/ mín.: 210 / 36 barg
Fluxo de gás máx / mín.: 20.000 / 140.000 Vnm³/h
Ponto de orvalho: -10°C a 36 barg
O gás natural é armazenado em cavernas subterrâneas para atender às necessidades de serviço em momentos de carga pico. O gás natural armazenado possui componentes como água, hidrocarbonetos, e lubrificantes. O gás das cavernas entra no primeiro separador de entrada, onde se dá a remoção dos componentes do líquido e partículas mecânicas pequenas. Após passar pelo separador de entrada, o gás é aquecido no preaquecedor até aproximadamente 45°C. O gás natural tépido entra no separador de vórtice tubular (Vortex Tube Separator) para a remoção de água e de hidrocarbonetos e é despressurizado até o nível de pressão do gasoduto destinado para uso comercial. Antes de passar pelo VTS, o glicol é inibido para evitar a formação de hidratos. O gás frio e os fluxos de gás tépido são recombinados após a passagem pelo separador a frio, onde são coletadas a água e os hidrocarbonetos. Os líquidos são descarregados na unidade de regeneração de glicol. A temperatura do gás seco destinado a venda será aumentada, no pós-aquecedor, passando de aproximadamente -10°C até cerca de 5°C.
Vantagens do separador de vórtice tubular (Vortex Tube Separator)
Razão entre fluxo máximo e mínimo (turn down ratio)" de 15%. O fluxo de gás varia de 20.000 a 140.000 Vnm³/h.
Fase curta de partida (Não há necessidade de preaquecimento para a regeneração).
Baixa taxa de circulação de glicol (aprox.15% em relação à técnica de torre da unidade de adsorção).
Emissões significativamente menores devido à baixa taxa de circulação de glicol.
Vantagens durante a operação do separador de vórtice tubular (Vortex Tube Separator)
Menores custos de implantação (imobilização).
Menores custos operacionais
O separador de vórtice tubular (VTS) não possui peças giratórias, portanto não exige manutenção

Descrição detalhada do processo do separador de vórtice tubular (VTS) na página adicional.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

3

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Descrição do processo (versão resumida)